O dia a dia no Centro Comunitário Dom Jorge

Satisfação e desafio! Duas palavras que descrevem muito bem, toda nossa alegria e inquietude em trabalhar numa Instituição filantrópica como o Lar Menino Jesus nos dias de hoje. Acolher crianças e adolescente que advém de famílias carentes e que dependem de nossa atenção, carinho, disposição e estrutura.

Recebe-los pode pareimg-20151215-wa0020cer uma tarefa fácil, mas é preciso ir além de uma boa estrutura física e pessoal para atende-los. Planejamento, organização e criatividade são palavras chaves no nosso dia a dia, a começar pelos horários de entrada e saída, da assiduidade e comprometimento da família para com o Centro Comunitário. Há aqueles que resistem e os que não demoram a entender que toda essa dinâmica é o que garante o pleno funcionamento da casa, é até compreensivo a antipatia porque lá fora é o famoso Brasil do jeitinho, que aqui nada combina com
os valores passados ás nossas crianças, o valor do comprometimento, da responsabilidade, do cuidar e zelar pelos bens pessoais e comuns, de respeitar o próximo e a si mesmo.

Nossa preocupação vai além do momento da atividade sócio educativa, da recreação, da diversão, como Educadores, queremos que nossas crianças possam crescer conscientes de seus atos e que sejam agentes  transformadores dentro do núcleo familiar a princípio, para isso estimulamos o básico, respeitar a si e o próximo, conhecer seus direitos e seus deveres,  desenvolver a autonomia pessoal, seja no ir e vir dentro do centro comunitário, seja na simples tarefa de montar o prato o qual vai alimentar-se, limpar e organizar seu espaço após a refeição, experimentar um novo movimento, um novo alimento, interagir em um novo grupo de crianças, acolher um novato e faze-lo sentir-se integrado.

Somos uma grande família que através da convivência diária busca fortalecer os vínculos primários do ser, hoje cada vez mais corrompidos pela individualidade, consumismo e falta de fé. É de uma gratidão tamanha ver no sorriso de uma criança a alegria por ser e fazer parte, por vivenciar tais momentos, e é uma responsabilidade ter a confiança dos pais que acreditam no nosso trabalho. Que Deus nos abençoe em fé e esperança nesta caminhada de amor, pois como diria o Apóstolo Paulo no Hino ao amor-caridade escrita á Coríntios, “o Amor tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta” (1Cor 13,1-13), só o Amor.

Rosemary de Marqui Correia Montanhas

Coordenadora Pedagógica do Centro Comunitário

Post Author: Rosemary de Marqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *